sábado, julho 02, 2011

Monstro

Elas não tinha ideia do que elas criaram. Foi a gota d'agua a conversa que sua avó tivera com sua mãe, ainda podia ouvi-la dizer “Não liga para ela, não se importe com ela. Ela não merece que se importe. É desprezível e uma idiota, deveria agradecer todos os dias já que tem tudo o que queres. Não me importaria se ela morresse, seria um grande alívio”. A menina chorava com um bebê, aquilo a matava, mesmo sem sentir qualquer afeto por elas ainda sim as respeitava, elas não podiam fazer aquilo com ela, dizer tais coisas. Ela estava totalmente fartas daquelas mulheres, as queria mortas, as queria no chão sangrando, riu ante o pensamento, realmente era tentador para ela as matar.
Deixou que se passasse três semanas e naquela altura tudo estava em sua cabeça meticulosamente pensado. Riu sozinha pensando como seria feliz hoje, como iria encontrar outro alguém que a entendesse e não dissesse tais palavras. A tempos que guardava aquela faca, havia conseguido de um ladrão que tinha tentado lhe roubar e que no final ela acabou o matando. A noite estava extremamente calma, a menina gostava disso, os gritos soariam melhor nos seus ouvidos. Como de costume, a avó dormia às dez e a irmã dela não estava em casa para salvar a velha, era um pena.
Entrou no quarto da avó, a idosa dormia sem nenhuma preocupação, sem saber que em sua casa residia um monstro, um criatura capaz de matar sem nenhum tipo de remorso. Antes que a avó pudesse dar mais uma respiração a menina cravou a faca no coração dela, os olhos da avó, assustados, encontraram os da menina e a mesma a sorriu, deixando transparecer o monstro que era. -Bons sonhos, vovó!- A menina beijou-lhe as bochechas e se dirigiu a porta, antes de sair escreveu um bilhete e deixou sobre o corpo da idosa: “Realmente espero que aprenda a nunca mais dizer tais coisas sobre mim, em toda minha vida ouvi-la dizer o quanto eu era desprezível, o quanto só a fazia chorar. Não que eu me importasse se você chorava ou não, mas sinceramente, eu eu não merecia isso, sempre fui paciente com você e a vovó, sempre fiz o que ela me mandava fazer e assim que vocês me agradecem? Eu já não estava mais aguentando você e aquela velha. Tinha que dar um basta, não? É de aviso que caso eu encontre você mais um vez, querida mamãe, a matarei com um sorriso nos lábios sem pensar duas vezes, e acredite vou fazer bem pior do que fiz com a vovó!
Com amor, Mel.
A menina saiu pela porta com um sorriso nos lábios e o coração parcialmente em paz, pois bem ainda precisava do corpo da sua mãe morta para estar totalmente em paz. 

1 comeram muffins:

Aline Diedrich disse...

Que menina psicopata essa personagem.. Realmente, um monstrinho ehehe

Postar um comentário

Sua opnião faz o blog, sabia? Então vamos lá, solte o verbo e não deixe nada engasgado na garganta. Críticas construtivas, elogios e tudo mais são sempre bem-vindos.

Related Posts with Thumbnails